carregando...

Manual Placas de Concreto

Manual Placas de Concreto

Confira as diretrizes para aplicar de maneira adequada as Placas para Pisos da Maski (Manual da ABCP)

Manual de Placas de Concreto | 1 Fevereiro 2010 Manual de Placas de Concreto: Passeio Público ©COPYRIGHT Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) Todos os direitos de reprodução ou tradução reservados pela Associação Brasileira de Cimento Portland PORTLAND, Associação Brasileira de Cimento. Manual de Placas de Concreto: Passeio Público. Associação Brasileira de Cimento Portland – ABCP, São Paulo, 2010. 36p. Coordenação geral: Engª Glécia R. S. Vieira – ABCP Coordenação técnica: Engº Claudio Oliveira Silva – ABCP Edição e revisão: Engª Mariana L. Marchioni – ABCP Fotos: Acervo da ABCP Projeto gráfico, diagramação e ilustrações: Exit8 Comunicação Revisão de texto: Cidadela Coordenação gráfica: Ana Maria Starka Placas – Concreto Calçadas – Placas de Concreto Acessibilidade – Placas de Concreto Passeio público – Execução Passeio público – Passo a passo CDU 692.522(035) 1ª edição – fevereiro de 2010 1ª tiragem: 1.000 exemplares 1. Histórico 09 2. Definições 10 3. Características 11 4. Formatos e Dimensões 11 5. Fabricação 12 6. Especificação 12 7. Calçadas acessíveis 13 8. Como executar 13 9. Placas planas de concreto assentadas com argamassa (sistema aderido) 16 10. Placas planas de concreto assentadas com material granular (sistema flutuante) 24 11. Manutenção 31 12. Gestão de resíduos 31 13. Obras 32 14. Bibliografia 34 Manual de Placas de Concreto | 9 1. Histórico No Brasil, o primeiro registro de um sistema construtivo de calçadas de placas de concreto removíveis foi a proposta de um grupo de empresas e profissionais, liderado pelo arquiteto José Magalhães, constituindo uma das quatro alternativas oferecidas para a votação popular na escolha da nova calçada da avenida Paulista, em São Paulo, em 2002. Em 2005 um grupo de fabricantes começou a desenvolver produtos para a utilização em calçadas. Deste trabalho surgiram obras emblemáticas como a reurbanização da rua Amauri e de algumas ruas no bairro da Vila Olímpia, todas na cidade de São Paulo. As placas são fabricadas em diversas cores e texturas, adequando-se a cada tipo de projeto. No concreto das placas são utilizados vários tipos de pedras, como por exemplo basalto, arenito, mármore, quartzo, granito, seixo rolado e até pedras semipreciosas. Utilizando diferentes granulometrias chegase ao desempenho adequado ao projeto. Planta Projeto da Rua Amauri / São Paulo Vista do lado par Rua Amauri / São Paulo 10 | Associação Brasileira de Cimento Portland 2. Definições O sistema flutuante é recomendado apenas para as placas de dimensão maior que 40 x 40 cm ou quando estas apresentarem peso adequado. As placas também podem ser utilizadas como piso elevado externo. Placa plana de concreto: produto resultante da mistura de cimento Portland, água, agregados, eventuais aditivos com ou sem reforço de fibras, telas ou armaduras ativas ou passivas. As placas são assentadas sobre uma camada de apoio e funcionam como revestimento do pavimento. Esta camada de apoio pode ser de material granular (sistema flutuante) ou de argamassa (sistema aderido). Sistema flutuante: indicado para tráfego de pedestres. Placas assentadas sobre camada de materiais granulares. Podem ser retiradas facilmente utilizando um saca placas. Sistema aderido: para tráfego de pedestres e veículos leves. As placas são assentadas com argamassa de cimento Portland sobre um contrapiso. No caso de tráfego de veículos leves, deve ser utilizada uma armadura de aço na base, conforme especificação do projeto. Placas assentadas em material granular - sistema flutuante Placas assentadas sobre argamassa - sistema aderido Manual de Placas de Concreto | 11 A calçada de placa de concreto para ambientes externos deve levar em consideração os aspectos de uso, tais como: abrasão, tráfego de pedestres, cadeirantes e intempéries. As principais características desse tipo de piso são: Facilidade de execução: Por serem pré-fabricadas, as placas de concreto já chegam prontas para o uso na obra. Sua instalação é muito fácil, demandando apenas mão-de-obra treinada. Facilidade de manutenção: A manutenção pode ser feita de forma localizada, retirando apenas as placas danificadas. Conforto de rolamento: A regularidade da superfície das placas e as pequenas espessuras conferem conforto ao caminhar ou no uso de cadeiras de rodas ou carrinhos. Superfície antiderrapante: Placas de concreto proporcionam segurança aos pedestres, mesmo em condições de piso molhado. Deve-se evitar placas polidas que não atendem a este requisito. Conforto térmico: A utilização de placas com cores claras proporciona menor absorção de calor, melhorando o conforto térmico das calçadas. Rápida liberação de tráfego: Para as placas assentadas no sistema aderido, deve-se aguardar a cura por 24 horas. Para as placas assentadas no sistema flutuante, a liberação é imediata. Resistência e durabilidade: As placas pré-fabricadas apresentam elevada resistência à abrasão e mecânica. A correta especificação da placa depende da elaboração de projeto por profissional qualificado ou indicação do fabricante. Material reciclado: Os produtos à base de cimento podem ser totalmente reciclados e utilizados novamente na produção de novos materiais. Isto ajuda na preservação do ambiente e evita a saturação de aterros. Capacidade de drenagem: As placas pré-fabricadas podem ser produzidas com capacidade drenante, permitindo a passagem de água. Neste caso, a calçada tem que ter estrutura com base drenante para permitir a infiltração de água de volta ao lençol freático. Diversidade de cores e texturas: As placas podem ser fabricadas com uma ampla variedade de cores e texturas. Para que as cores sejam duráveis o importante é optar por pigmentos inorgânicos. Não utilizar texturas muito lisas que podem tornar as placas escorregadias em dias de chuva. Espessura mínima das placas: 25 mm (fixa) ou 30 mm (removível). Modulação das placas: 40 x 40 cm até 100 x 100 cm. 4. Formatos e Dimensões 3. Características 40 a 100 cm 40 a 100 cm 25 mm (fixa) / 30 mm (removível) 12 | Associação Brasileira de Cimento Portland A resistência mecânica das placas de concreto, quando assentadas sobre camada de apoio, deve respeitar, no mínimo, os valores a seguir: • resistência característica a flexão maior ou igual a 3,5 MPa; • carga característica de ruptura na flexão maior ou igual a 4,5 kN. 5. Fabricação 6. Especificação A placa pode ser produzida com uma ou mais camadas de concreto, sendo a camada superior a de revestimento e a camada inferior a estrutural. Em geral, a placa é constituída de cimento – cinza ou branco estrutural – areia, granilha, aditivos, pigmentos e pode ou não conter armadura, dependendo da carga solicitada. Pode ser fabricada em vibroprensas, em formas individuais de concretagem ou em pistas de concretagem. Processo produtivo utilizando fôrmas individuais de concretagem Normas Técnicas Para atender às exigências técnicas, o setor conta com a norma: • ABNT NBR 15805:2010 - Placa de concreto para piso - Requisitos e métodos de ensaios. Manual de Placas de Concreto | 13 7. Calçadas Acessíveis Os espaços públicos devem ser acessíveis a todos os cidadãos, garantindo a livre circulação das pessoas com mobilidade reduzida. Os itens necessários para garantir a acessibilidade devem ser considerados durante a fase de projeto. Estes itens incluem inclinações máximas, rolamento do piso, utilização de pisos táteis, rampas etc. Para isso o projetista deverá consultar a legislação do município onde será construída a calçada e também a Norma Brasileira NBR 9050. Deve existir uma faixa livre no centro da calçada, com largura mínima de 1,20 m, conforme estabelece a NBR 9050. A inclinação transversal desta faixa deve ser igual ou menor que 2%, conforme a figura. Critérios de acessibilidade adotados em São Paulo: Cartilha Passeio Livre Critérios de acessibilidade adotados em São Paulo: Cartilha Passeio Livre Máximo 8,33% Faixa de Serviço Faixa de Serviço Largura mínima de 0,75 m Faixa Livre Largura mínima de 1,20 m Faixa de Acesso Sem largura mínima Máximo 8,33% Faixa de Acesso Máximo 2% Mínimo 1,20 m Faixa Livre 8. Como Executar Fita Bandeirola Cavalete Cone 8.1. Segurança na obra A segurança tem que estar sempre presente no canteiro de obra. É necessário tomar cuidado, ter atenção e organização. Devem ser utilizados equipamentos de segurança coletiva e a obra deve ser sinalizada. O trecho da calçada que será executado deve ser sinalizado com redes de proteção, cones, bandeirolas, cavaletes ou fitas. 14 | Associação Brasileira de Cimento Portland Bota Protetor auricular Capacete Óculos / Máscara Luvas Joelheiras É obrigatório o uso dos equipamentos de proteção individual (EPIs): botas, capacetes, luvas, protetores de ouvido, óculos, máscaras e joelheiras. Além de obrigatórios por lei, estes equipamentos garantem a segurança do operário. 8.2. Serviços preliminares Para facilitar o processo de montagem e assentamento, o responsável pela obra deve fornecer a planta com os detalhes do desenho, dimensões e paginação. Antes de iniciar a obra, o responsável pela execução deve conferir se a planta está adequada para as condições do local. Devem ser analisadas a paginação do piso e todas as interferências, tais como bueiros, postes, entradas de veículos etc. Com base nesta análise deve ser planejado por onde começar a obra e como será seu andamento. Também é necessário verificar quais equipamentos e materiais serão necessários. Observe se eles estão disponíveis e em boas condições de uso. O trabalhador não precisa utilizar necessariamente todos os equipamentos ao mesmo tempo; estes variam com o serviço realizado. Por exemplo, quem está assentando as peças não precisa usar óculos, mas quem está lidando com o corte de peças, sim. Verifique sempre com o responsável pela segurança da obra quais são os equipamentos necessários para cada tipo de trabalho. 8. Como executar 8.3. Equipamentos Os principais equipamentos utilizados são: Equipamentos básicos: Equipamentos para assentamento: • Trena • Nível de água • Lápis • Marretas de borracha • Fios de nylon para marcação • Trincha • Carrinho • Pás e enxadas • Vassouras • Serra de disco para eventuais cortes de peças Manual de Placas de Concreto | 15 Equipamentos para contrapiso e argamassa: • Trincha • Desempenadeira de madeira • Colher de pedreiro • Régua de alumínio • Caixa para mistura de argamassa • Desempenadeira dentada • Desempenadeira de aço Fio de nylon Nível Caixa para mistura de argamassa Trena Régua de alumínio Nível de água Lápis Prumo Colher de pedreiro Espátula 8.4. Materiais Os principais materiais usados são: argamassa, brita, placas planas de concreto, areia e concreto. 8.5. Manuseio e transporte A placas devem ser acondicionadas em embalagens que protejam sua integridade física até a chegada ao local de uso. Cada palete deve trazer as seguintes informações: dimensões nominais, nome do fabricante, identificação do lote, número de peças e/ou a área correspondente. Caso cheguem soltas, as placas devem ser descarregadas com cuidado e estocadas de acordo com as recomendações do fabricante. O seu manuseio deve ser cuidadoso para evitar quebras. O transporte das peças dentro da obra deve ser feito de maneira ordenada e em carrinhos, de forma a manter as placas sem quebras e facilitar o assentamento. Na compra de materiais de construção, prefira os que possuem qualidade comprovada, que são aqueles fabricados de acordo com as NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS. 16 | Associação Brasileira de Cimento Portland 9.1. Seção tipo Camadas da seção tipo: Subleito: Constituído de solo natural ou proveniente de empréstimo (troca de solo). Deve ser compactado em camadas de 15 cm, dependendo das condições locais. Sub-base: Constituída de material granular com espessura mínima de 5 cm. A camada deve ser compactada após a finalização do subleito. Base – contrapiso: Constituída de concreto não estrutural no caso de tráfego de pedestres e de concreto estrutural com armadura nas entradas de veículos. A espessura mínima deve ser de 10 cm. Argamassa de assentamento: Pode ser utilizada argamassa colante ou argamassa convencional elaborada em obra. Revestimento: Camada constituída pelas placas planas de concreto. 5 cm 1 0 cm Declividade transversal min. 1% Edificação Rua Meio-fio (guia) Base Sub-base Subleito (solo compactado) Sarjeta 15 cm Junta seca ou rejuntada Placas planas de concreto Argamassa de assentamento Tendo sido verificadas as definições do projeto, observadas todas as regras de segurança e providenciados os equipamentos necessários, pode ser iniciada a execução da calçada propriamente dita. 9. Placas planas de concreto assentadas com argamassa (sistema aderido) É fundamental que as calçadas sejam objeto de Projetos Executivos de Engenharia, elaborados por empresas especializadas. Manual de Placas de Concreto | 17 A camada de subleito deve ser compactada e nivelada. Esta camada deve ser constituída de solo natural do local ou solo de empréstimo (troca de solo com qualidade superior). Devem ser observados, e reparados quando necessário, os seguintes detalhes: • O solo utilizado não pode ser expansível, não pode inchar na presença de água. • A superfície não deve ter calombos nem buracos. • O caimento da água deve estar de acordo com o projeto. Recomendase que o caimento seja, no mínimo, de 2% para facilitar o escoamento de água. • A superfície deve estar na cota prevista em projeto. • Caso o solo não tenha capacidade de suporte, apresentando aspecto de “borrachudo”, ele deverá ser tratado conforme orientação do projeto. Subleito Sub-base Base Camada de revestimento • Adequação e compactação • Espalhar brita • Limpeza • Abertura ao tráfego • Assentamento • Rejunte • Drenagem • Ajustes e redes subterrâneas • Espalhamento • Nivelamento do concreto 9.2. Etapas Passo 1 – Preparação do subleito Vista superior Vista lateral Compactação do subleito 18 | Associação Brasileira de Cimento Portland Para delimitar os limites da calçada são utilizadas barras de contenção de madeira com espessura de 3 cm ou 5 cm, dependendo da espessura da subbase e base. A sub-base é composta de uma camada de material granular (bica corrida ou brita graduada). O fundamental é que o material esteja limpo, livre de sujeira e que esteja bem graduado, ou seja, tenha grãos de diversos tamanhos, garantindo assim que, ao compactá-lo, obtenha-se um bom arranjo. 9.2. Etapas Passo 2 – Preparação da sub-base Subleito Sub-base Base Camada de revestimento • Adequação e compactação • Espalhar brita • Limpeza • Abertura ao tráfego • Assentamento • Rejunte • Drenagem • Ajustes e redes subterrâneas • Espalhamento • Nivelamento do concreto Vista superior Vista lateral Espalhamento da brita Barras de contenção Barras de contenção e espalhamento da brita 9. Placas planas de concreto assentadas com argamassa (sistema aderido) Manual de Placas de Concreto | 19 Após a execução do subleito e da sub-base, será executado o contrapiso, que servirá de base para o assentamento das placas. Ele tem a função de regularizar, nivelar e dar declividade ao piso, além do suporte estrutural. 1 - Umedeça a camada granular. 2 - Aplique o lastro de concreto na superfície. 3 - Compacte o concreto. 4 - Deixe o concreto curar por, no mínimo, 3 dias. Passo 3 – Execução da base - contrapiso Subleito Sub-base Base Camada de revestimento • Adequação e compactação • Espalhar brita • Limpeza • Abertura ao tráfego • Assentamento • Rejunte • Drenagem • Ajustes e redes subterrâneas • Espalhamento • Nivelamento do concreto Vista superior Vista lateral Para pedestres: Concreto com resistência de 15 MPa. Para veículos leves (entrada de carro): Concreto com resistência de 20 MPa, armado com tela de aço CA 60 de 4,2 mm e malha 100 x 100 mm. Para veículos pesados (caminhões, carro-forte): é necessário executar o projeto. 20 | Associação Brasileira de Cimento Portland O assentamento pode ser feito com argamassa tradicional, elaborada em obra, de consistência seca (farofa). Esta argamassa consiste em uma mistura de cimento e areia na proporção de 1:6 (uma parte de cimento para seis partes de areia média). Umedeça a face inferior das placas e a superfície do concreto, antes do espalhamento da argamassa; regularize e instale as placas, efetuando o controle de nivelamento nas duas direções e seu adensamento com martelo de borracha. No caso de deficiências de nivelamento, corrija-as com argamassa nova. Não utilize a argamassa que foi lançada e adensada na aplicação, sob risco de ter placas soltas ou com novas movimentações e desníveis. O assentamento é feito utilizando martelo de borracha. O assentamento das placas de concreto também pode ser realizado utilizando argamassa industrializada. Neste caso, siga as orientações do fabricante. 9.2. Etapas Passo 4 – Camada de revestimento - assentamento das placas de concreto Subleito Sub-base Base Camada de revestimento • Adequação e compactação • Espalhar brita • Limpeza • Abertura ao tráfego • Assentamento • Rejunte • Drenagem • Ajustes e redes subterrâneas • Espalhamento • Nivelamento do concreto Vista superior Vista lateral Espalhamento da argamassa Colocação da placa de concreto Assentamento das placas 9. Placas planas de concreto assentadas com argamassa (sistema aderido) Manual de Placas de Concreto | 21 Quando especificado em projeto, faça o rejuntamento utilizando argamassa específica para esse fim. Passo 5 – Camada de revestimento - rejunte Subleito Sub-base Base Camada de revestimento • Adequação e compactação • Espalhar brita • Limpeza • Abertura ao tráfego • Assentamento • Rejunte • Drenagem • Ajustes e redes subterrâneas • Espalhamento • Nivelamento do concreto Vista superior Vista lateral Rejunte - Quando especificado em projeto 22 | Associação Brasileira de Cimento Portland A limpeza é a etapa final e tem como objetivo eliminar argamassas ou outros materiais utilizados no processo de assentamento. A argamassa de rejuntamento que ficar aderida sobre as placas deve ser removida durante as operações de rejuntamento, para evitar seu endurecimento. A limpeza final dos pisos só deverá ser efetuada duas semanas após o rejuntamento. O piso deve então ser escovado (escova ou vassoura de piaçava) com água e um detergente neutro, sendo em seguida enxaguado abundantemente. Passo 6 – Camada de revestimento - limpeza e abertura ao tráfego 9.2. Etapas Subleito Sub-base Base Camada de revestimento • Adequação e compactação • Espalhar brita • Limpeza • Abertura ao tráfego • Assentamento • Rejunte • Drenagem • Ajustes e redes subterrâneas • Espalhamento • Nivelamento do concreto Vista superior Vista lateral 9. Placas planas de concreto assentadas com argamassa (sistema aderido) Manual de Placas de Concreto | 23 Resumo das etapas Subleito Sub-base Base Camada de revestimento • Adequação e compactação • Espalhar brita • Limpeza • Abertura ao tráfego • Assentamento • Rejunte • Drenagem • Ajustes e redes subterrâneas • Espalhamento • Nivelamento do concreto Vista superior Vista lateral 24 | Associação Brasileira de Cimento Portland 10.1. Seção tipo Camadas da seção tipo: Subleito: Constituído de solo natural ou proveniente de empréstimo (troca de solo). Deve ser compactado em camadas de 15 cm, dependendo das condições locais. Base: Constituída de material granular com espessura mínima de 10 cm. A camada deve ser compactada após a finalização do subleito. Camada de assentamento: Composta de material granular (areia ou pó de brita). Esta camada deve ser apenas espalhada e não compactada. Revestimento: Camada constituída pelas placas planas de concreto. 10 cm 4 cm Declividade transversal min. 1% Edificação Rua Meio-fio (guia) Base Sarjeta Subleito (solo compactado) 15 cm Junta seca ou rejuntada Placas planas de concreto Camada de assentamento Tendo sido verificadas as definições do projeto, observadas todas as regras de segurança e providenciados os equipamentos necessários, pode ser iniciada a execução da calçada propriamente dita. É fundamental que as calçadas sejam objeto de Projetos Executivos de Engenharia, elaborados por empresas especializadas. 10. Placas de planas de concreto assentadas com material granular (sistema flutuante) Manual de Placas de Concreto | 25 A camada de subleito deve ser compactada e nivelada. Esta camada deve ser constituída de solo natural do local ou solo de empréstimo (troca de solo com qualidade superior). Devem ser observados, e reparados quando necessário, os seguintes detalhes: • O solo utilizado não pode ser expansível, não pode inchar na presença de água. • A superfície não deve ter calombos nem buracos. • O caimento da água deve estar de acordo com o projeto. Recomenda-se que o caimento seja, no mínimo, de 2% para facilitar o escoamento de água. • A superfície deve estar na cota prevista em projeto. • Caso o solo não tenha capacidade de suporte, apresentando aspecto de “borrachudo”, ele deverá ser tratado conforme orientação do projeto. 10.2. Etapas Passo 1 – Preparação do subleito As placas removíveis devem obrigatoriamente ter contenções laterais (meio-fio), para promover o travamento das placas. Colocação das contenções Subleito Base Camada de assentamento Camada de revestimento • Espalhar brita • Execução de cortes e ajustes • Limpeza • Abertura ao tráfego • Adequação e compactação • Drenagem e redes subterrâneas • Contenções • Colocação das placas • Espalhamento • Nivelamento Vista superior Vista lateral Compactação do subleito 26 | Associação Brasileira de Cimento Portland • Adequação e compactação • Drenagem e redes subterrâneas • Contenções • Execução de cortes e ajustes • Limpeza • Abertura ao tráfego No sistema flutuante, é necessário espalhar uma camada de brita sobre o solo compactado. A espessura dessa camada deve seguir as especificações do projeto, sendo a espessura mínima de 10 cm. Após o lançamento da brita, a camada deve ser compactada. O fundamental é que a brita esteja limpa, livre de pó e sujeira. 10.2. Etapas Passo 2 – Preparação da base Espalhamento da brita Compactação da brita Subleito Base Camada de assentamento Camada de revestimento • Espalhar brita • Colocação das placas • Espalhamento • Nivelamento Vista superior Vista lateral 10. Placas de planas de concreto assentadas com material granular (sistema flutuante) Manual de Placas de Concreto | 27 • Adequação e compactação • Drenagem e redes subterrâneas • Contenções • Execução de cortes e ajustes • Limpeza • Abertura ao tráfego Sobre a camada de base granular compactada, espalhe a mistura de areia e brita 0 (pedrisco), compacte e nivele com régua de 2 m de comprimento, nas duas direções. A camada de areia deve ter espessura máxima de 4 cm. Passo 3 – Camada de assentamento Espalhamento da areia Subleito Base Camada de assentamento Camada de revestimento • Espalhar brita • Colocação das placas • Espalhamento • Nivelamento Vista superior Vista lateral 28 | Associação Brasileira de Cimento Portland • Adequação e compactação • Drenagem e redes subterrâneas • Contenções • Execução de cortes e ajustes • Limpeza • Abertura ao tráfego Realize o lançamento das placas com cuidado para não “enterrar” as bordas quando de seu apoio sobre a areia. Compacte com martelo de borracha e corrija as eventuais falhas do nivelamento com o mesmo tipo de mistura de areia. Após sua recolocação e recompactação, verifique o nivelamento com a régua metálica utilizada para acerto da base. Para colocação das placas maiores recomenda-se utilizar o saca placas. 10.2. Etapas Passo 4 – Camada de revestimento - colocação das placas de concreto Assentamento das placas de concreto. Assentamento das placas de concreto utilizando o saca placas As placas removíveis não devem ser rejuntadas. Subleito Base Camada de assentamento • Espalhar brita • Colocação das placas • Espalhamento • Nivelamento Vista superior Vista lateral Camada de revestimento 10. Placas de planas de concreto assentadas com material granular (sistema flutuante) Manual de Placas de Concreto | 29 • Adequação e compactação • Drenagem e redes subterrâneas • Contenções Após a colocação das placas, deve-se executar os cortes, ajustes e alinhamento. Os cortes são realizados por serra de disco. Passo 5 – Execução de cortes, ajustes, alinhamento, limpeza e liberação ao tráfego Subleito Base Camada de assentamento • Espalhar brita • Colocação das placas • Espalhamento • Nivelamento Vista superior Vista lateral Camada de revestimento Recorte com serra de disco Ajustes das placas Para as placas removíveis a liberação do tráfego é imediata. • Execução de cortes e ajustes • Limpeza • Abertura ao tráfego 30 | Associação Brasileira de Cimento Portland Resumo das etapas 10.2. Etapas Subleito Base Camada de assentamento Camada de revestimento • Espalhar brita • Colocação das placas • Espalhamento • Nivelamento Vista superior Vista lateral 10. Placas de planas de concreto assentadas com material granular (sistema flutuante) • Execução de cortes e ajustes • Limpeza • Abertura ao tráfego • Adequação e compactação • Drenagem e redes subterrâneas • Contenções Manual de Placas de Concreto | 31 Para garantir a durabilidade da calçada, recomenda-se uma manutenção preventiva. Esta consiste em limpeza regular com água e sabão e periódica (a cada 3 meses) utilizando limpa pedras diluído em água. Para corrigir eventuais problemas na calçada, como quebra de peças, pode ser realizada manutenção corretiva pontualmente. MANUTENÇÃO CORRETIVA • Sistema aderido: as peças podem ser danificadas na retirada, sendo necessária sua substituição. • Sistema flutuante: as peças são facilmente retiradas com saca placas, podendo ser totalmente reaproveitadas. A construção civil é um grande consumidor de materiais e também um grande gerador de resíduos. De acordo com a Resolução CONAMA nº 307, aquele que executa uma construção, reforma, reparo ou demolição é responsável pela destinação do entulho gerado – inclusive aqueles resultantes de serviços preliminares, como remoção de solo e vegetação. De acordo com essa resolução, no caso de calçadas, a maioria dos resíduos se enquadra na Classe A (são os resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados e podem ser destinados para Aterros de Pequeno Porte licenciados). Em nenhuma hipótese estes resíduos podem ser dispostos em aterros de resíduos domiciliares, em áreas de “bota-fora”, em encostas, corpos d´água, lotes vagos ou outras áreas protegidas por lei. 11. Manutenção 12. Gestão de resíduos Manutenção preventiva: limpeza com jato d´água, sabão neutro e limpa pedras 32 | Associação Brasileira de Cimento Portland Rua Oscar Freire – São Paulo/SP Avenida Faria Lima – São Paulo/SP Rua Amauri – São Paulo/SP 13. Obras Manual de Placas de Concreto | 33 Rua Piauí – São Caetano do Sul/SP Shopping Cidade Jardim – São Paulo/SP Casa Cor 2006 – São Paulo/SP – Lançamento do piso de placa pré moldada de concreto drenante. Projeto do arquiteto paisagista Benedito Abbud 34 | Associação Brasileira de Cimento Portland Referências Bibliográficas • PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Secretaria de Coordenação de Subprefeituras - Secretaria de Participação e Parceria – Secretaria Especial da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida. Conheça as regras para arrumar sua calçada. São Paulo, 2005. • BRASIL. Decreto n. 5296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis n°s 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade. • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 2004. • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12255: Execução e utilização de passeios públicos. Rio de Janeiro, 1990. • CONAMA. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Resolução n. 307, de 05 de julho de 2002. Publicação DOU n. 136, de 17 de julho de 2002. http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=307. Acesso em 23-11-09. • PCC-USP no Estado de São Paulo. Reciclagem de resíduos como material de construção. Disponível em: http://www.reciclagem.pcc.usp.br/. Acesso em 23-11-09. • BRASTON. Indústria de placas de concreto. Local. Disponível em: www.braston.com.br 14. Bibliografia http://www.solucoesparacidades.org.br http://www.abcp.org.br email: cidades@abcp.org.br tel.: 0800 055 5776

O início

A Maski iniciou sua trajetória em Blumenau, Santa Catarina no ano de 2003 motivada por uma crescente demanda pelo uso de pavimentos intertravados e blocos de concreto nas obras de reurbanização da cidade.

A qualidade

Focada na fabricação de produtos de qualidade certificada, desde o início a Maski é associada da ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland) onde adquiriu o Selo de Qualidade ABCP para as peças de concreto para pavimentação de resistência 35 e 50 MPa.

A inovação

O DNA da Maski é de vertente inovadora. Queremos fazer diferente e buscar um significado que, além de beleza e funcionalidade, contribua para a melhoria no dia-a-dia das pessoas.

-26.8602690 -49.0898100

Maski Pisos e Revestimentos Especiais

Rua Frederico Jensen, 370
Blumenau, SC CEP 89066-300
Fones: 47 3338 0333 / 47 3338 3003
Atendimento de segunda a sexta das 8h00 às 12h00 e das 13h30 às 18h00